28 de outubro de 2014

Dois

Quando nos casamos há dois anos, após deliciosos quatro anos de namoro, às vezes eu sentia uma inevitável inquietação que me fazia perguntar: será que continuará dando certo? Será que continuará tão bom assim? E fui vendo, daquela primavera em diante, que nossa parceria não apenas continuaria dando certo, pois ela foi ficando cada vez melhor, mais afinada, mais gostosa de viver.

Porque você é a companhia mais agradável que já conheci e desfrutei. Brilhantemente inteligente e talentosa. Sensível e ligeira para lidar com as alegrias sem perder os pés do chão. Forte e sensível para lidar com os desafios da vida sem perder a serenidade, a fé e a ternura. Admiravelmente íntegra e coerente, sempre enraizada em valores justos e amorosos.

Porque você tem uma beleza radiantemente dengosa que a torna sempre lindíssima, atraente, infinitamente abraçável e beijável. Porque você sabe ser eruditamente simples, conversar com profundidade e cumplicidade, cantar e dançar e rir e esbanjar amorosidade e doçura, seja em um domingo preguiçoso, seja em meio ao turbilhão de uma semana complicada, da hora que tenta acordar à hora que tenta dormir. Sempre com esse sorriso lindíssimo e essa energia que quer sempre mais e melhor.

Porque você é extremamente realista e extremamente sonhadora, em um equilíbrio elegante e impressionante: uma explosão de sede de vida! Porque você também sabe dos meus inúmeros defeitos e me faz, mesmo sem perceber, sempre cheia de jeitinho, empenhar-me para ser cada vez mais um homem igualmente íntegro, respeitoso e amoroso com você e com todos ao nosso redor. Porque você tem esse jeito todo admirável e único de levar a vida e de partilhá-la comigo.

Porque, por conta disso tudo, é você quem eu amo, cada dia mais e mais. Porque é você que me faz, com o coração agitado e emocionado diante desse dia tão especial, voltar a me perguntar: será que continuará dando certo? Será que continuará tão bom assim? Porque é você que, ao mesmo tempo que instiga as perguntas, me dá uma piscadela marota e me cochicha cheia de charme: há de ser ainda melhor!