12 de julho de 2013

Viagens

Quando a fama chegar e minha arte for emoldurada pela crítica e pendurada na parede do museu do cânone, hão de viajar aventando mil e uma explicações para minha tendência a escrever fragmentos em vez de romances. Todavia, como em tudo, os mesmos se esquecerão da razão óbvia: a quantidade de baldeações a que estive submetido nas minhas próprias viagens diárias.

Um comentário: