A Metamorfose, de Kafka

Resenha participante do Desafio Literário 2013

Eu que sempre tão preso ao papel, finalmente li meu primeiro ebook:  A Metamorfose.

Conhecia de cor o enredo (o cara que se transforma num inseto) e o estilo do autor, de modo que há tempos sei explicar o que é um texto kafkaniano. No entanto, o fato: eu ainda não tinha lido nada dele. Não por falta de indicações, mas por pura procrastinação. E gostei, não como algo genial ou comovente, mas como algo necessário.

Com relação à estória, clichê relembrar o quanto Gregor e sua família se metamorfoseando metaforizam a humanidade que vai perdendo seus traços essenciais em meio ao mundo moderno.

Com relação ao estilo, também clichê relembrar o quanto a narração sendo narrada como corriqueira metaforiza a naturalidade com a qual encaramos as bizarrices do cotidiano. Quer cidade mais kafkaniana do que nossa São Paulo?

O defeito dos clichês não é serem repetições, mas é perderem o efeito. E o que Kafka faz é exatamente isso: ao narrar como natural algo nauseante, lembra-nos o quanto fazemos isso no dia a dia. Lembrete que talvez nem faça mais efeito, embora siga necessário: foi apenas quando virou inseto (quando se colocou "outside") que Gregor começou a reparar melhor nas coisas.

---
KAFKA, Franz. A Metamorfose. [1915]

Comentários

  1. Eu releio alguns e este continua na lista dos "próximos", mas nunca chega... Quem sabe agora com seu empurrãozinho?
    Adoro seus textos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Por meio do através

Roi

Promessa