30 de abril de 2011

Casa Poliglota

Logo da Casa Poliglota, elaborado por Leandro Amado.
Um dos meus maiores sonhos de vida é trabalhar naquilo que gosto ajudando aos outros e fazendo isso de maneira justa e dedicada. E uma das maiores alegrias, minha e de meus amigos da Letras-USP, é saber que parte desse sonho está sendo cada vez mais realizado através da Casa Poliglota.


Veja nosso site:

A Casa Poliglota é um projeto idealizado por nós com o intuito de oferecer aulas particulares de idiomas com qualidade e flexibilidade. A equipe, composta por professores altamente competentes, oferece aulas de Língua Portuguesa (redação, gramática, etc) e de línguas estrangeiras, como Alemão, Espanhol, Francês, Inglês, Italiano, Latim, Libras e Português para estrangeiros - sem contar que, se tudo der certo, muito em breve ofereceremos outros idiomas!

Esse projeto surgiu diante de alguns fatos que fomos percebendo ao longo de nosso trabalho como professores particulares: 1) algumas escolas de idiomas cobram um preço muito abusivo para oferecer aulas de qualidade muito inferior às aulas particulares; 2) nessas escolas de idiomas, muitas vezes o professor fica atado ao material de uso obrigatório, sem poder acelerar o ritmo ou trazer materiais mais adequados e produtivos ao interesse de cada aluno; enquanto nas aulas particulares temos a liberdade de oferecer ao aluno todas as condições necessárias para que alcance seus objetivos; 3) a única qualidade das escolas de idiomas é conseguir reunir pessoas interessadas em aprender novos idiomas; 4) oras, então se todos nós oferecemos aulas particulares e acreditamos que elas têm melhor resultado, divulgar em conjunto é muito melhor do que divulgar individualmente! divulgando, podemos mostrar às pessoas interessadas que existe uma alternativa muito mais benéfica e barata: as aulas particulares dos professores da Casa Poliglota.

Se você tem interesse em fazer aulas com algum de nossos professores, entre em contato! E se quiser nos ajudar com a divulgação, clique aqui e veja como! Você pode divulgar nosso link para seus amigos via e-mail, Twitter e Orkut; você pode, com um único clique no botão "curtir", divulgar para seus amigos no Facebook; você pode colar um banner nosso em seu blog ou site!; você pode até copiar e colar este texto em seu blog.

Em nome de toda nossa equipe, agradeço a cada um pela atenção, pelo apoio e pela ajuda na divulgação! Esse projeto está sendo cultivado com muito carinho e dedicação (nunca vi tanta gente boa e competente junto!), de modo que, se Deus quiser, continuaremos colhendo cada vez mais frutos positivos!

23 de abril de 2011

Das indicações e outras surpresas

Algumas honras nos pegam tão de surpresa que até nos deixam sem palavras. Ontem aconteceu uma delas. A escritora Larissa "Frau" Forster, responsável pelo excelente blog Das capivaras e outras coisas e também participante do blog Meninas Improváveis, escreveu em sua coluna semanal um texto cuja proposta era indicar um blog. Qual foi minha surpresa quando vi o Canto em Silêncio como blog indicado! Diz a escritora:

« No período que estive na faculdade, tive a chance de fazer bons amigos e conhecer pessoas extremamente talentosas. E uma delas é Vinícius Barqueiro. Em seu blog, Canto em Silêncio, o qual acompanho, podemos encontrar desenhos, aforismos, contos... Tudo com muita sensibilidade e grande clareza de espírito. Eu particularmente prefiro os contos, que sempre me fazem refletir e repensar minha pacata existência. » (FORSTER, F. "Canto em Silêncio". In: Meninas Improváveis. São Paulo: Blogspot, 2011)

Obrigado pelas palavras e pelo incentivo, escritora Larissa. Não sei se todos sabem, mas singelos incentivos como esse nos reanimam muito na tarefa prazerosa e corajosa que é escrever e publicar. Assim como muita leitura boa, o retorno dos amigos-leitores é essencial para a constante melhora daqueles que, como eu, pretendem um dia também serem denominados escritores.

2 de abril de 2011

A moeda do desejo secreto

« Há duas faces na moeda do desejo secreto: em uma, a comoção de quem é surpreendido com aquilo que sempre desejou e nunca pediu; em outra, a angústia de quem espera do devedor aquilo que ele nem sabe que deve. »