12 de agosto de 2011

Tempo, Tempo, Mano Velho

Quadro Tile of Time, de Vladimir Kush.
Não mais aquela surpresa constante da criança que vai descobrindo a vida a cada novo passo, mas sim aquela surpresa inusitada - quase um susto - de quem já sabe o que esperar da previsibilidade do mundo e que, mesmo assim, ainda não espera perfeitamente bem. Não o susto de quem se descobre perdido, mas o susto de quem sabe exatamente qual rota seguir e de repente descobre que o mapa está desatualizado, ou mesmo que a meta mudou. A surpresa de quem vai descobrindo que nem sempre há um retorno quando se erra o caminho; e que o preço a ser pago pelo combustível queimado na rota errada é caríssimo. Não o susto de quem vê um animalzinho na pista, mas o horror de quem vê outra pessoa atropelando-o deliberadamente. Não a surpresa do adolescente que se apaixona pela menina que mal conheceu, mas a surpresa causada pelo velhinho que, apesar das rugas da convivência, ama fervorosamente sua companheira de vida. Não a surpresa de receber uma nova cartinha de amor, mas surpresa de encontrá-la perdida na gaveta após tanto tempo. Não a surpresa de quem descobre um novo escritor, mas a surpresa de quem, achando que leu toda uma obra, descobre na própria biblioteca um bom livro ainda não lido, ou lido outrora sem o mesmo deleite. Não o susto de ser apunhalado pelas costas, mas a atonicidade de se descobrir perdoando de verdade. Não a surpresa de quem descobre um escândalo religioso, mas a alegria misteriosa de quem descobre o cristianismo puro e simples. Não um grande presente ou uma festa surpresa dos amigos em volta, mas um grande abraço de quem não se vê há muito tempo. Não a surpresa de um texto extraordinário, mas a publicação de um texto banal após tanto tempo sem escrever. Surpresas e sustos, bons e ruins, que vão fazendo da vida algo realmente interessante - às vezes até assustador - e que vão fazendo de mim, aos trancos e barrancos, alguém surpreendentemente mais maduro e mais feliz a cada novo dia; a cada novo ano.

aniversário de 23 anos

6 comentários:

  1. Que lindo texto Vi!
    Parabéns (não só por isso!) =~

    Feliz aniversário!
    Bjus

    ResponderExcluir
  2. Texto leve e belo, como sempre!
    Parabéns pelo texto, pelo aniversário!
    Sucesso, grande abraço!

    ResponderExcluir
  3. É muito bom analisar nossas mudanças ao longo dos anos, dá uma renoada não é mesmo?

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  4. Que testo lindo, tão leve, tão simples, amei sua forma de escrever, curti muito esta blog estarei sempre por aqui Beijinhos e parabéns.

    ResponderExcluir