9 de maio de 2009

Procrastinação

"O tempo foi passando e eu, que mantinha minha agenda sempre em dia, tirando as tarefas do caminho, fui adquirindo uma sensação de superpoder que é ao mesmo tempo a nossa criptonita: vai dar tempo, depois eu faço. (...) Sim, eu vou fazer, basta querer. Não preciso de aviso, tudo sob controle.
É a procrastinação que chegou!
(...) tem uma hora que a bruma procrastinadora é inalada, inibindo qualquer iniciativa...
(...) Como sei que isso de procrastinar é uma atitude totalmente mudável, fico mais tranqüila. Afinal, só depende de mim. E disso eu entendo!
E se não entendo, um dia eu vou. Se eu não for, alguém me leva. Se ninguém me levar, eu fico aqui e faço o que tenho que fazer! Se realmente precisar..."

TAKAI, Fernanda. In:Nunca Subestime uma mulherzinha

Vinícius Cássio Barqueiro
Sábado, 09 de maio de 2009

5 de maio de 2009

Mise en Abyme

No último sábado, dia 02 de maio, o Karlisson convidou os leitores de seu excelente blog Nerdson não vai à escola a completarem as falas da tirinha abaixo. O autor da melhor idéia ganharia uma camiseta, o autor da segunda melhor idéia ganharia três bottons e as dez melhores histórias seriam publicadas em seu blog.

Tirinha de Nerdson não vai à escola. 

Em meio a um fim de semana loucamente atarefado e (por isso) procrastinador procrastinador, decidi, claro, participar! Nisso, envolvido na minha peculiar empolgação, decidi mudar os desenhos da tirinha! Um tiro no pé, eu sei, mas um tiro tão tentador! Eis a idéia que enviei:

Mise en Abyme. Tirinha de Vinícius Barqueiro para o concurso de Nerdson não vai à escola.

Conforme combinado, hoje foi divulgado o resultado e, viva, tive a honra de ficar entre os dez melhores e receber "menção honrosa por subverter a proposta inicial"! rsrsrs. =P Fiquei feliz.

Essa promoção ainda me lembrou duas coisas:

1) Nessa história de os leitores terminarem a tirinha, lembrei de um debate que tive recentemente com a Ju e depois com o Rafa e a Cah e a Cotia e a Mi cuja questão era a seguinte: o autor de um texto literário é quem planeja e escreve o texto ou quem lê e atribui significados ao texto? Qual é a opinião de vocês sobre isso? Qualquer dia escrevo mais a respeito.

2) Ao falar de mise en abyme, lembrei que ao escrever recentemente um conto "um conto" para o Programa Nascente USP, estive refletindo sobre o quanto eu gosto desse procedimento criativo de história dentro de história dentro de história. Qual é a opinião de vocês sobre isso? Qualquer dia escrevo mais a respeito.