8 de setembro de 2007

Timidez

Cecília Meireles

Basta-me um pequeno gesto
feito de longe e de leve,
para que venhas comigo
e eu para sempre te leve...

- mas só esse eu não farei.

Uma palavra caída
das montanhas dos instantes
desmancha todos os mares
e une as terras mais distantes...

- palavra que não direi.

Para que tu me adivinhes,
entre os ventos taciturnos,
apago meus pensamentos,
ponho vestidos noturnos

- que amargamente inventei.

E, enquanto não me descobres
os mundos vão navegando
nos ares certos do tempo
até não se sabe quando...

- e um dia me acabarei.

1 de junho de 2007

É Claro

É claro como o sol que é mais bonito
falar do que se sonha em poesia,
mas vejo o quanto é raro e esquisito
que o sonho venha e vire uma alegria.

É clara como a lua que é mais bela
a chama da paixão inalcançável,
mas veja o oceano que revela
o quanto que é distante o apaixonável.

É claro como o sol que é essencial
chorar por sempre ser insatisfeito
com este velho mundo natural

e é clara como a lua que é mutante
a água da distância que apaga
o sonho que só dura em um instante.

28 de abril de 2007

Sonetos Desiludidos


Poética Desiludida

Os próximos sonetos que se seguem
pretendem vagamente demonstrar
três grandes ilusões, antes que ceguem
a nossa falha vida - vou falar:

Primeiro do conceito Liberdade
pois é algo buscado sem saber
que não há liberdade de verdade
pois sempre há um senhor pra se escolher;

Segundo do conceito de Verdade
pois tem sido entendido relativo
e crido com certeza tão vazia;

Terceiro do conceito Poesia
pois é algo glorioso, algo que vivo
e é algo que pratico em humildade.


Liberdade Ilusória

Há gente que acha linda a Liberdade,
poder fazer aquilo que quiser,
não ter quem diga não à sua vontade
aproveitar a vida - se assim quer.

Porém aqui pergunto, mas fazer
o que minha vontade me mandar
não é me sujeitar, não é querer
ser preso a mim, a mim me acorrentar?

E já que sou tão falho, limitado,
não é melhor, invés de me escolher
e a mim servir, ouvir o que me diz

meu Deus, meu criador, que diz feliz
é aquele que o servindo, só por crer,
da culpa do pecado é Libertado?


Verdade Ilusória

Há gente que acha linda a tal Verdade
que não há uma verdade absoluta,
depende só da relatividade,
do que cada um quer ver - e não discuta.

Porém aqui pergunto, mas dizer
que não há só uma única verdade
não é isso afirmar, pregar, querer
que só isso seja a única verdade?

E já que sou tão falho, limitado,
não é melhor, invés de acreditar,
no que eu achar, pensar no que me diz

meu Deus, meu criador, que diz feliz
é aquele que negando o seu pensar
da Verdadeira vida é sujeitado?


Glória Ilusória

Não acho lindo tudo o que Escrevi
por mais que seja tão metrificado
e tão certinho e tão bem planejado
pois muito quis dizer - não consegui.

Porém aqui perguntam, você fez
heroicamente versos tão limados,
tão paralelos, tão bem ritmados,
o que faltou? Sim, diga de uma vez!

Pois é que a poesia é limitada,
não diz o que é Verdade totalmente
e do pecado não é Libertada.

A mim resta escrever em humildade.
Só a Deus, o criador, Ele somente,
devemos dar a glória tão sonhada.

20 de março de 2007

Canção Excêntrica

Cecília Meireles

Ando à procura de espaço
para o desenho da vida.
Em números me embaraço
e perco sempre a medida.
Se penso encontrar saída,
em vez de abrir um compasso,
Projeto-me num abraço
e gero uma despedida.

Se volto sobre o meu passo,
é já distância perdida.

Meu coração, coisa de aço,
começa a achar um cansaço
esta procura de espaço
para o desenho da vida.
Já por exausta e descrida
não me animo a um breve traço:
- saudosa do que não faço,
- do que faço, arrependida.

1 de março de 2007

Soneto Sobre a Cegueira

Você não pode ver que somos cegos
que guiam uns aos outros pelo nada
tapados pela luz de nossos egos
em meio à vil manhã enluarada?

Você não pode ouvir os nossos gritos
que buscam um sentido pela estrada
guiada de verdade e não de mitos
ao fim de uma noite ensolarada?

Você não pode ver, nenhum de nós,
que tão buscada luz às vezes cega
e o sol é refletido em lua triste?

Você não pode ouvir que estamos sós
e a voz de nossa mente a gente nega
em canto à bela Luz, a que existe?